Episódio 1x01 - Winter is Coming (Série vs. Livro e opinião)

Série vs. Livro
Este primeiro episódio cobre os acontecimentos narrados no prólogo e nos capítulos 2-9 e 12. O prólogo está bastante semelhante ao do livro, apenas com a diferença em relação à identidade do desertor da Patrulha da Noite. No livro, é o homem mais velho, Gared, quem foge e é decapitado por Ned Stark.

A cena dos miúdos em Winterfell não aparece descrita nos livros, mas é algo que facilmente poderia ter acontecido. Em poucos minutos, com uma cena aparentemente simples, o espectador junta informação sobre as crianças Stark e suas personalidades, e também como Jon Snow se sente deslocado, especialmente pelo facto de Catelyn não o aceitar como parte da família. Sinceramente gostei.

A cena da decapitação, bem como quando encontram os lobos, é vista no livro através do olhos de Bran. Boa parte dos diálogos são retirados do livro. Uma das diferenças que encontro aqui é que os chãos deveriam estar cobertos de neve, mas é isto é apenas um detalhe. O primeiro encontro entre Jon e Ghost (o pequeno lobo branco) é especialmente emotiva no livro e aqui pareceu-me um pouco mal trabalhada.

A cena em King's Landing, entre Cersei e Jaime, também foi acrescentada. Parece natural, algo que não vemos no livro porque não temos capítulos de nenhum dos dois. Percebemos um pouco sobre o carácter de ambos e também que tiveram alguma coisa a ver com a morte de Jon Arryn.

Toda a secção da chegada da comitiva real a Winterfell e da ida de Robert e Ned às criptas está bastante fiel aos livros e não tenho grande coisa a dizer. Outra cena introduzida para acrescentar um pouco mais a todas as personagens que nos são apresentadas é a de Tyrion com as prostitutas. 

O primeiro capítulo dedicado a Jon Snow no livro, é sobre o banquete em Winterfell em honra do Rei. No livro, Jon faz parte do banquete, apesar de não ficar na mesa da sua família. Como se sente excluído, acaba por sair para o exterior, onde tem uma conversa com Tyrion Lannister. Confesso que não gostei muito da conversa dos dois nesta cena, porque pretende fornecer informação ao espectador sobre as duas personagens e é muito pouco subtil em relação ao seu objectivo. O melhor mesmo é a tirada "All dwarfs are bastards in their father's eyes", retirada do livro.

A cena em que Catelyn recebe a carta da irmã com as suspeitas sobre a morte do marido está bastante fiel, mas ao contrário do livro é o Maester Luwin que tenta convencer Ned da necessidade de aceitar ser o braço direito do Rei.

O casamento de Dany e Drogo foi bastante semelhante ao que está descrito no livro, e gostei da curta participação de Jorah Mormont. Acho que Iain Glen respira classe. Da cena da consumação do casamento já não gostei tanto, apesar do cenário magnífico ao pôr-do-sol. Na série, quase pareceu uma violação enquanto que nos livros Drogo mostra-se muito paciente com Dany e acaba por não ser um martírio para ela.

Penso que a cena final é o primeiro momento em que o leitor (e aqui, o espectador) percebe um pouco do que a história nos reserva em termos de acontecimentos inesperados. Impagável, a forma como Jaime diz "The things I do for love".


Opinião Pessoal
Apesar de todas as diferenças que referi acima, penso que este primeiro episódio nos permite perceber que a adaptação será bastante fiel ao material do livro. A minha perspectiva de leitora não me permite aferir do nível de "confusão" que terá causado em pessoas que desconhecem a história, mas penso que foi notório o esforço para contextualizar algumas coisas e criar situações que permitem conhecer características das personagens. Não foi um episódio que me tivesse deixado de queixo caído, mas acho que também teve muito a ver com o facto de ter visto o preview de 14 minutos e algumas das cenas, pelo que o factor novidade se esbateu um pouco.

A nível de interpretações, gostei bastante do Ned de Sean Bean, porque transmite toda a tranquilidade de um homem que tem uma boa vida e sabe onde pertence, sem no entanto deixar de transparecer a angústia das decisões que vão contra a sua natureza. Ainda dentro dos Stark, gostei particularmente da Arya... Maisie Williams tem momentos excelentes, com expressões e atitudes que se adaptam na perfeição à sua personagem. E acho o miúdo que faz de Bran uma doçura. 

Mais destaques: Nicolaj Coster-Waldau muito bem como Jaime Lannister, a conferir à personagem o ar confiante, descontraído e convencido que a sua personagem exige; do que vi de Mark Addy, penso dar um bom Robert Baratheon: vai buscar aquela personalidade quase bipolar, capaz de extremos de humor e crueldade, em que nunca sabemos realmente o que vai fazer ou dizer.

Fez-me um pouco de confusão a mistura de cenas que foram claramente gravadas em alturas diferentes. Em algumas, como as cenas nas criptas e as interiores do banquete apresentam um Sean Bean mais magro e sem peruca (ou com uma peruca diferente?). Em todas as outras, tem o rosto mais cheio e o cabelo diferente. As primeiras devem ter sido gravadas para o piloto e as restantes quando foi dada luz verde para a primeira temporada. Mais alguém reparou nisto?

Termino dizendo que gostei muito do genérico inicial. Imaginativo e útil para os espectadores que não estão a par da geografia da história. A música não achei nada de extraordinário, e o mesmo se passou com a que passou durante a série. Mas foi um começo auspicioso para uma série cuja estreia aguardei durante tanto tempo :)

8/10

Categories: ,

17 Responses so far.

  1. ClaudiaV says:

    Muitos bons augurios! :D Hehehehe Tyrion com as prostitutas parece-me uma boa ideia!

  2. Também achei que a cena da consumação do casamento da Daenerys e do Drogo ficou muito aquém, e foi das poucas diferenças em relação ao livro que achei que fizeram de facto diferença. Na série fica a ideia de uma violação, enquanto que no livro a Daenerys diz o Sim, depois de todos os Nãos, e Drogo mostrou-se muito paciente mesmo na sua natureza rude.

    Concordo contigo em tudo. As cenas acrescentadas servem para contextualizar o espectador e dar uma ideia rapida das personalidades e do enredo em redor das personagens.
    Também achei que devia haver neve, e que a cena dos lobos foi um bocado "mal amanhada" para a importância que tem. Pouco emotiva e muito parada.

    O Jaime está perfeito. Acho que este actor está fabuloso no papel, e quase bom demais. Não achas que a primeira impressão com que ficamos na série é positiva, enquanto que no livro ele é um parvalhão? Bom o facto de ter empurrado o Bran é capaz de equilibrar a coisa :P Mas ao mesmo tempo a maneira como o faz é priceless. Melhor cena do episódio.

    Gostei bastante da Catelyn (uma das actrizes mais "criticadas"), o que achaste?
    A Arya está de facto uma pestinha adorável perfeita :)

    O genérico é interessante, mas perde-se totalmente com aquela música vulgaríssima. Podia ter sido épico.

  3. Nordic says:

    Foi sem dúvida um bom episódio, também não gostei da forma como criaram a sensação que Drogo vai violar a pequena Daenerys, não foi a imagem que me ficou do livro. Bom blog, já estou a seguir:)

    PS: seria interessante que a intro (que está muito boa) fosse evoluindo ao longo da season, mostrando o percurso das personagens. Dothraki Sea, Qarth, Riverrun, etc.

  4. Excelente blog. Esse me fará companhia e apoio no transcorrer da série, pelos comentários apropriados e esclarecedores.
    Abraço!

  5. Célia says:

    Cat, quanto ao Jaime: nos livros, passamos quase de 8 para 80 no que diz respeito à nossa impressão sobre a personagem. Acredito que isso se deva ao facto de não termos POV dele, mas também pelas vicissitudes que Jaime terá de enfrentar, que acabam por mudá-lo e fazê-lo perceber uma série de coisas. A minha ideia é que na série optaram por fazer essa transição de uma forma mais suave, fazer com que a personagem não pareça tão "má" logo desde início, dando ao espectador a sensação que existe ali algo mais. Acho que o actor que intepreta o Jaime está excelente (e é um regalo para os olhinhos, diga-se de passagem :D )

    Acho a Catelyn da série mais "suave", ponderada e menos fria do que a do livro. Neste primeiro episódio, ainda não surgiu a oportunidade de demonstrar garra, e só aí conseguirei avaliá-la melhor. Não desgostei da actriz, mas também não fiquei "wow", foi assim-assim.

  6. Célia says:

    Nordic,
    Tenho quase a certeza de ter lido algures que o genérico da série iria alterar-se precisamente tendo em conta os locais onde decorre a acção no episódio correspondente ;)

  7. Célia says:

    Teté,
    Obrigada pela visita, espero que continues a gostar ;)

  8. Célia says:

    ClaudiaV,
    Foi realmente muito interessante. Já viste o episódio? :)

  9. Está visto o primeiro !
    Concordo com praticamente tudo o que já foi aqui dito ... A série acaba por se mostrar, quanto a mim, bastante fiel ao livro, acrescentando (como seria de esperar) um ou outro detalhe, obrigatório para situar o leitor (espectador) na história e abrir-lhe um pouco o enredo que, como sabemos (pelo menos os fãs dos livros como eu) é bastante complexo.

    Concordo a 110% com a Cat SaDiablo em relação à cena dos lobos. Pelo papel que desempenham (e irão desempenhar) ao longo da história, pela ligação dos lobos à casa Stark, poderia ter sido mais emotiva ...

    O único ponto negativo que tenho a apontar é, de facto, a banda sonora. Não foi capaz de nos transmitir sentimento, energia e de nos fazer endireitar as costas no sofá ...
    Sei que não é comparável e gosto muito das duas obras (e dos dois mestres da escrita) mas quando ouço a banda sonora do Senhor dos Anéis (honra seja feita a Howard Shore) consigo ver/imaginar o filme do princípio ao fim, associando as várias músicas às várias passagens do filme. E foi precisamente isso que não senti neste primeiro episódio. Como diz a Cat SaDiablo, precisava aqui de algo que se tornasse mais épico ...

    Em relação ao resto, gostei muito e vou aguardar ansiosamente os próximos episódios :)
    Pena que seja só um por semana :(

  10. Célia says:

    Rodrigo,
    E eu até já li que a participação dos lobos na série será bastante reduzida ao que é nos livros pela dificuldade em trabalhar com animais. Até certo ponto é compreensível, mas tenho muita pena se tiver de ser assim...

  11. Adorei a forma como acabou o episódio. Deixou-me com a mesma reacção que o livro um grande e enorme "oh bolas, que raio, mas o que é que vai sair daqui?" E o Jamie a dizer, completamente descontraído, "The things I do for love"? Priceless!

    Não gostei da cena dos lobos a que, como já referiram, parece que faltou alguma coisa. Acho que nem se percebe como é um prenúncio do que aí vem, nomeadamente com a morte do veado. Lembro-me, mas já não me recordo se foi exactamente nessa cena ou se algum acontecimento me fez lembrar esse episódio, em como o terem encontrado o veado morto seria o que aconteceria à casa Baratheon e que os lobos, com a sua mãe morta, ver-se-iam em perigo e espalhados por Westeros...

    Não sei se me faço entender, mas esta é a maior crítica que faço a este episódio.

    É verdade, referente ao genérico, devo confessar que não gostei das rodas dentadas, mas entendo o seu propósito, tendo em conta que todas as personagens estão ligadas entre si e que a decisão/actos de uma afectam outras. Já as cintas com os brasões estão fenomenais e não consigo perceber se também elas contam alguma história. :S

  12. Célia says:

    White Lady, realmente acho que pela sua importância em termos simbólicos a cena dos lobos merecia ter sido um pouco mais cuidada.

    Quanto ao genérico, se souber de significados ocultos, prometo partilhar :)

  13. Ora, e falando de significado do genérico.... lol :P

    Acabei de reler a parte em que o Bran acorda, e tem aquele sonho do corvo de três olhos. Antes de acordar ele "voa" através do Reino, e além do Mar estreito, tal como acontece no genérico, só não sei se é pela mesma ordem, mas era giro :P

    É claro que isto não quer dizer nada, mas reler estes livros tão complexos e com tantas sugestões, é estar sempre com a sensação que todos os diálogos e pensamentos são pistas para as desgraças do futuro :D

  14. Célia says:

    Cat, parece que o genérico vai alterar-se consoante as localidades onde decorre a acção de cada episódio. :)

  15. Ah, voltando à cena dos lobos, não só tem esse simbolismo dos lobos espalhados, mas principalmente o da progenitora ter morrido pelo golpe das hastes de um Veado (não me lembro se no livro chega a ver-se o veado morto)

  16. Célia says:

    Nop, no livro apenas é referida a haste de veado que está cravada na loba.

  17. Anónimo says:

    Concordo contudo o que este blog descreveu, querendo simplesmente destacar a falta de destaque que dão tanto aos lobos, que se tornaram um ponto importante ao longo da história (wargs), e também a falta de destaque, não aparecendo quase por completo o filho mais novo do Ned Stark, Rickon.

    Não apreciei a muito a forma como adaptaram o prólogo pois no livro está descrito que o confronto dos homens da patrulha da noite com os outros, era quase como um duelo, e na série e tudo menos isso (se aquilo eram selvagens, povo livre, então foi um tiro ao lado, muito ao lado), mas tudo isso não tira o brilho deste episódio, e acima de tudo, acho a série muito fiel ao livro.

Leave a Reply

Partilhar